Carta da CMP aos movimentos populares

A CMP Brasil – Central de Movimentos Populares, reunida em sua Plenária Nacional, na cidade de São Paulo, entre os dias 1º e 3 de Junho de 2022, reafirma sua disposição de lutar contra o fascismo, o desemprego e a carestia, acompanhada da fome e contra o governo genocida do Brasil atual.

Nossa Central, que reúne cerca de 4 mil entidades  populares de todo o país, esteve desde a sua fundação na linha de frente pela defesa da democracia, da criação e efetivação de políticas públicas  com participação popular. Organizou a Caravana dos Movimentos Populares a Brasília em 1995 no governo FHC, onde entregou um conjunto de reivindicações de diversas políticas públicas, e, ainda, participou ativamente em conselhos de participação e mobilizações de rua durante os governos Lula e Dilma.

Os retrocessos e o desmonte das políticas sociais e urbanas fazem parte de um modelo excludente de cidades e nos fazem refletir sobre nossa jornada. O racismo, o patriarcado e o capitalismo são os principais fatores determinantes da barbárie social existente nas cidades, que gera desigualdades econômicas, sociais, raciais e de gênero. A propriedade da terra e cidade seguem sem cumprir a sua função social, mesmo com a Constituição e Estatuto da Cidade apontando o contrário.

Estamos somando esforços com diversos movimentos populares, sindicais, estudantis e partidos políticos que resistiram e denunciaram o golpe, desde sua origem, na manipulação das manifestações de 2013. Estivemos junto e atuando ativamente na vigília Lula Livre em Curitiba, e nas diversas atividades e manifestações incansáveis até a libertação do ex-presidente, que foi perseguido e condenado injustamente. Vale mencionar que a CMP esteve na linha de frente na articulação dos grandes protestos pelo Fora Bolsonaro em 2021, fundamentais para impedir a tentativa de golpe no país. Nas mobilizações, lutamos também nas ruas por emprego, auxílio emergencial e vacina.

Desde o início da pandemia, nossa Central  promoveu e continua promovendo ações de solidariedade fundamentais para minimizar os efeitos da Covid-19, além de cobrar dos governos políticas de proteção social.  Estamos ainda presentes em todas as lutas por cidades justas e inclusivas. Temos a compreensão que as demandas do povo só serão alcançadas com a superação do modelo de produção capitalista.

Para a CMP, os ataques aos direitos dos trabalhadores (as), a repressão aos movimentos sociais, a perseguição e criminalização dos lutadores do povo e da mídia independente, além da destruição do parque industrial nacional, o fim ou a redução drástica de programas sociais e a reedição de uma política neoliberal, notadamente atrasada e historicamente derrotada, são efeitos do golpe ainda em andamento no país. Os constantes ataques aos direitos previstos em nossa Constituição nos levam a afirmar que já vivemos um Estado de Exceção, comandado por  militares e  milicianos que semeiam um golpe a nossa democracia, tão cara a todos nós.

O governo genocida e fascista de Jair Bolsonaro avança com o seu projeto de vender o Brasil para o capital nacional e internacional. Dentre seus objetivos destacam-se, entre outros, a venda das empresas estatais estratégicas para a nação brasileira.

A disseminação do medo através de fakenews e a exploração de bandeiras que dividem o nosso povo, se tornou uma política de estado repressora e promotora de todo o tipo de violência, racistas, de gênero, homofóbica e de criminalização contra aqueles que lutam por direitos humanos.

Em nossos  trabalhos junto ao povo trabalhador nas periferias,  temos observado uma desesperança e uma insatisfação com a política, o que tem levado muitas pessoas a se iludirem com as propostas de prosperidade e de fascistas. Outras dizem ainda estarem descrentes com a política, defendendo o voto nulo ou abstenções, prática que vem crescendo no país a cada eleição.

Para enfrentar toda essa cultura do medo, da violência e da descrença, conclamamos ao povo brasileiro, que sofre com a fome, a carestia, a falta de moradia, com o desmonte da saúde pública, com o acesso à educação pública de qualidade, para que una esforços com a CMP na luta para derrotar Bolsonaro, o bolsonarismo, o  fascismo e, assim, restabelecer a nossa frágil democracia, os direitos e a soberania.

Conclamamos a classe trabalhadora, os movimentos populares,  os intelectuais, os artistas e a juventude a se unirem conosco no debate de propostas para superar a crise e reconstruir o Brasil. É preciso recolocar nosso país num outro patamar nas relações internacionais, com altivez e autonomia.

A CMP entende que a candidatura do ex-presidente Lula é a que tem condições de abrir caminhos para suspender e revogar retrocessos e iniciar a retomada do crescimento econômico, com geração de emprego e renda. Precisamos  combate à fome, a destruição ambiental, retomar as políticas públicas de habitação, saneamento, mobilidade urbana, cultura, saúde, educação, mulheres, juventude, LGBTQIA+, combate ao racismo e a homofobia.

Entendemos que a concretização dessas propostas dependerão da mobilização popular. E para que isso aconteça é necessário fortalecer os movimentos populares. Nesse sentido, a CMP orienta sua base social a organizar, imediatamente, em conjuntos com parceiros, espaços de articulação e lutas, especialmente nas capitais e cidades médias aonde temos atuação. A nossa orientação é para que esses locais sejam denominados de comitês de luta popular, brigadas de lutas ou ainda comitês comunitários.

O mais importante é que seja uma ferramenta de articulação, diálogo e luta sintonizada com os reais  problemas que atingem o povo. O objetivo é contribuir para dar um caráter de massividade no debate político e de propostas para o projeto democrático e popular das eleições de outubro.

Fora Bolsonaro e todos os fascistas!
Pela democracia, por direitos!

03 de Junho de 2022
Central de Movimentos Populares (CMP)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: