Conferência Popular pelo Direito à Cidade chega ao fim com propostas para combater desigualdades

A Central de Movimentos Populares (CMP) e mais 600 entidades de movimentos sociais, redes, fóruns, coletivos e grupos territoriais de todos os estados do Brasil, incluindo o Distrito Federal, participaram no último final de semana da Conferência Popular Pelo  Direito à Cidade, em São Paulo. Após três dias de debates, o encontro chegou ao fim neste domingo (05) com a construção de uma plataforma de lutas voltadas ao combate às desigualdades econômicas, sociais, de gênero e racial, a fim de construir cidades mais inclusivas.

Raimundo Bonfim, coordenador nacional da CMP, destaca que o evento foi um grande sucesso e contou com a participação de mais de 700 pessoas. “Nosso encontro elevou o nível de organização, formação e mobilização. Saímos deste processo muito mais fortalecidos. Queremos a retomada dos nossos direitos e vamos resgatar nossas cidades como lugares de vida em comum, onde todas e todos podem ser socialmente iguais, humanamente diferentes e livres da opressão, exploração e discriminação. Em breve vamos divulgar o documento que aprovamos ao final dos debates”, disse.

A Conferência teve inicio na sexta-feira (03) quando mais de 2 mil pessoas saíram do Largo do Paissandu e marcharam pelas ruas de São Paulo por direito à cidade. “Nossa ação foi inédita do ponto de vista da participação diversificada de diversos sujeitos envolvidos. Durante a Marcha, protestamos em frente ao Tribunal de Justiça de São Paulo, Caixa Econômica Federal e da Bolsa de Valores, denunciando o sistema financeiro. Não vamos assistir os direitos fundamentais da população como educação, saúde, alimentação, moradia e segurança, serem violados”, disse o coordenador da CMP.

Ainda na sexta-feira, logo após a Marcha, o salão nobre da Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo  (USP) foi palco da abertura oficial da Conferência. Para os organizadores do evento, o capitalismo, o racismo e o patriarcado são fatores determinantes que geram pobreza, fome, desemprego e exclusão social nas cidades.

“Debater o tema do direito à cidade no salão nobre da Faculdade de Direito foi algo muito simbólico para os movimentos que lutam pelo fim das desigualdades sociais e garantias de direitos. O momento de fortalecer a luta contra esta visão capitalista e racista que nega o direito à cidade para a maior parte da população brasileira é agora. Estamos a quatro meses para as eleições e vamos colocar os problemas das cidades no debate eleitoral”, disse.

Dando sequência a agenda de atividades, no sábado (4) a Conferência Popular pelo Direito à Cidade realizou mais de 16 oficiais temáticas em diferentes pontos da cidade. “Diversos dirigentes, lideranças e a militância da CMP de todo o país participaram das atividades. Foi um tempo muito precioso e agora muitos voltam aos seus estados cheios de experiências e prontos para colocar a pauta das cidades no cenário político eleitoral próximo”, contou Raimundo.

Antes de finalizar, Raimundo Bonfim lembra que para a realização da Conferência Popular pelo Direito à Cidade ocorreram 232 eventos preparatórios, envolvendo milhares de pessoas que debateram todos os aspectos das cidades. A CMP realizou também no final do mês de abril um Seminário com algumas de suas experiências no combate às desigualdades na cidade.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: