Artigos e documentos

Nesta página, confira os principais artigos, posicionamentos e documentos públicos da CMP e de sua militância

Dia Mundial da Saúde: estamos em luto e luta 

Leia artigo de Raimundo Bonfim no site da Revista Fórum: Estamos vivendo um caos sanitário sem precedentes em nossa História. Um verdadeiro genocídio que precisa ser denunciado e parado urgentemente.

Nota da CMP: Em defesa da liberdade e autonomia da atuação sindical. Não à perseguição do dirigente Dayvid Bacelar

Os trabalhadores e trabalhadoras petroleiros (as) da primeira refinaria da Petrobrás no país, a Refinaria Landulpho Alves, iniciaram há 30 dias um movimento paredista legítimo. Em nenhum momento a greve foi julgada abusiva ou ilegal.

Desde o início da greve a direção da Petrobrás vem utilizando de aparatos jurídicos e repressivos contra os dirigentes sindicais e contra os trabalhadores para frustrar a movimentação por seus direitos.

As práticas antissindicais vão desde a proibição do uso de máscara de proteção contra a covid com a frase “Privatizar faz mal ao Brasil” e logomarca do sindicato, até ao extremo de aplicar uma suspensão de 29 dias no coordenador-geral da Federação Única dos Petroleiros (FUP), Deyvid Bacelar, abrindo caminho para justificar uma eventual demissão do dirigente sindical, como forma de intimidar e usar a punição como exemplo para outros trabalhadores.

A Central de Movimentos Populares (CMP) repudia e condena esta medida autoritária por parte da direção da Petrobrás e se coloca ao lado da FUB e de todos seus sindicatos para parar este absurdo. Nós da CMP defendemos e lutamos pela democracia e uma Petrobrás pública, sem perseguição aos seus trabalhadores (as) e ataques contra o dirigente, por meio de práticas antissindicais que vêm sendo realizadas pela gestão da empresa.

Raimundo Bonfim, coordenador nacional da Central de Movimentos Populares (CMP)

57 anos do golpe que implantou 21 anos de ditadura militar no Brasil

Hoje (31/3) completam-se 57 anos do golpe que implantou 21 anos de ditadura militar no Brasil. O resultado foi o fim da liberdade, torturas, muitos assassinatos, banimento e exílio. Neste triste dia da nossa história, enquanto uma minoria liderada por Bolsonaro comemora a ditadura militar, milhares estão de luto pela morte de seus entes queridos.

Grande parte das mortes poderiam ter sido evitadas se o governo tivesse comprado a tempo a vacina contra a covid-19. Somam-se ao dramático quadro de crise sanitária no país, a pobreza e miséria, que atingem em cheio os mais vulneráveis. Cerca de 52 milhões de pessoas estão sobrevivendo na pobreza, dos quais 10 milhões passam fome. São mais 13 milhões de desempregados, quadro que se agrava com alta dos preços dos alimentos e a redução do auxílio emergencial.

“Tem gente desempregada, sem renda, com fome, sem vacina e sem UTI para se tratar da covid; e tem gente, inclusive Bolsonaro, comemorando a ditadura militar”, afirma Raimundo Bonfim, coordenador nacional da Central de Movimentos Populares (CMP).Central de Movimentos Populares (CMP)

Oposição popular contra Bolsonaro

Leia artigo de Raimundo Bonfim no site da Revista Fórum: Se organizarmos uma ampla mobilização popular que assegure a todos renda, comida e vida, no ano que vem o povo reconhecerá que no momento mais difícil estávamos ao seu lado.

Um ano de pandemia: morte, fome e indignação 

Leia artigo de Raimundo Bonfim no site da Revista Fórum: Não bastasse toda a crise sanitária e econômica que enfrentamos, Bolsonaro só contribui para a piora da situação.

A luta dos movimentos populares na revisão do Plano Diretor

Leia artigo de Raimundo Bonfim no site Brasil 247: Os movimentos populares de moradia sempre defenderam que todos têm direito a uma casa e que a luta por essa casa é também a luta por um terreno bem localizado e pelos investimentos públicos que conectam seus moradores a toda a cidade.

Volta às aulas presenciais sem condições coloca em risco a vida

Leia na coluna de Raimundo Bonfim na revista Forum: O governo Doria teve quase um ano para preparar as escolas da rede estadual para um ambiente mais seguro de retorno às aulas, mas não o fez.

A Central de Movimentos Populares (CMP) e os desafios da articulação dos movimentos sociais

Por Francisca Genilce Gomes

Tese (Mestrado PUC-SP) tem por objeto o estudo da Central de Movimentos Populares, criada em 1993, como sujeito coletivo, na sua particularidade de articuladora dos movimentos sociais populares. 

A central de movimentos populares e o processo brasileiro de democratização: uma trajetória em construção – 1993-2003

Por Sônia Regina Ribeiro de Carvalho:

Tese (Pós-Graduação da PUC-SP) investiga a construção da trajetória da Central de Movimentos Populares – CMP no período de 1993-2003, tendo como foco o processo brasileiro de democratização.

Moro e Dallagnol cometeram crimes e Lula é inocente. Anula STF!

Leia na coluna de Raimundo Bonfim na Revista Fórum: As revelações de conversas entre o procurador ex-juiz durante o curso do processo contra Lula só corroboram que eles cometeram crime e por isso devem ser processados, condenados e presos.

O impeachment é possível

Leia artigo de Raimundo Bonfim no site Brasil 247: Os panelaços e a carreatas nesse momento de pandemia são modalidade de mobilização que podem muito bem ser potencializado pela classe média, segmento indispensável para o sucesso do impeachment.

Impeachment já, Fora Bolsonaro

Leia na coluna de Raimundo Bonfim na revista Fórum: A vida das pessoas não é e nunca foi uma prioridade para o projeto representado por Jair Bolsonaro. As mortes ocorridas em Manaus são de responsabilidade do presidente, o que já seria motivo suficiente para o início do processo de seu impeachment.

Movimentos populares e os desafios de 2021

Leia na coluna da Raimundo Bonfim na revista Fórum: Temos grandes embates pela frente, seja neste ano ou a médio e longo prazo. São lutas constantes que exigem de nós uma prioridade quase absoluta para o fortalecimento da base, preparo ideológico das massas e uma disputa de hegemonia.

2020: ano de resistência, solidariedade e luta

Leia artido de Raimundo Bonfim no site Brasil 247: Para 2021 temos o desafio de organizar o povo a partir das seguintes bandeiras de lutas: Vacina já, gratuíta e para todos e todas; terra e moradia; emprego e renda; combate à fome e à desigualdade; combate à violência contra as mulheres, ao racismo, ao genocídio e à homofobia; por uma Renda Básica Permanente e pelos direitos políticos do ex-presidente Lula,

Vacinas para todos e todas

Por um plano nacional popular de vacinação

A Central de Movimentos Populares defende um plano nacional popular de vacinação contra a COVID-19, necessária para garantir a imunização de toda a população. Para tanto é preciso que se elabore urgente um plano de vacinação, que seja coordenado pelos governos federal e estaduais, com a participação dos conselhos de saúde, tanto o nacional quanto os estaduais e municipais.

É preciso planejar desde já toda a logística de distribuição, capacitar o pessoal, produzir e/ou comprar insumos como seringas, refrigeradores, material de EPI (Equipamentos de Proteção Individual). Saúde não é mercadoria, a vacina tem que ser pra todos e todas e gratuita.

É inaceitável que enquanto outros países dão início à vacinação, aqui no Brasil, um país que há décadas é referência em vacinação, fiquemos reféns de disputas eleitoreiras entre o presidente da República Jair Bolsonaro e o governador de São Paulo, João Doria.

Os interesses eleitorais não podem se sobrepor à vida – que deve estar acima de tudo! O governo federal precisa planejar a vacinação em todo território nacional, com participação social, garantindo a priorização das populações mais vulneráveis em todo o território nacional, não apenas nos estados e regiões mais ricos. Isso envolve a compra das vacinas aprovadas e/ou que estejam em fase avançada de teste, para assegurar vacinação para todo o povo brasileiro, sob pena de ficarmos para trás na aquisição dos estoques de doses à disposição.

Vacinação Já!

Central de Movimentos Populares

Nota da CMP sobre o crime de assédio sexual contra a Deputada Isa Penna

Cassação já do mandado do Deputado Fernando Cury

O assédio sexual contra a Deputada Isa Penna foi um dos atos mais aviltantes já vistos nos últimos tempos, um crime praticado a luz do dia na frente de outros (as) deputados (as) e filmado pelas câmeras da Alesp. As cenas não deixam dúvida de que o Deputado Fernando Cury cometeu crime de assédio sexual contra a Deputada Isa Penna. Por isso, deve ser condenado na esfera penal e ter seu mandado cassado por falta de decoro parlamentar.

Lamentavelmente, atitudes como essas são estimuladas pelo bolsonarismo e o fascismo. O que ocorre frequentemente nos locais de trabalhos, nos bares e restaurante, nos mercados, nas escolas e universidades, nos hospitais, nos veículos de comunicação, nas empresas, escritórios, agora ocorre no Parlamento do Estado de São Paulo. Crimes dessa natureza têm aumentado por todo o país, certamente estimulado pelo presidente da República, que ao se referir a sua filha disse que era fruto de uma fraquejada, externando assim seu machismo e misoginia.

A Central de Movimentos Populares (CMP) repudia de forma veemente o que aconteceu nas dependência da Alesp e presta total apoio e solidariedade a Isa Penna, reafirmamos a luta contra todas as formas de violência contra mulheres, crianças e adolescentes em qualquer parte do Brasil ou do mundo. Basta de violência contra as mulheres. Fim do assédio sexual. Cassação já do mandado do Deputado Fernando Cury São Paulo, 18 de Dezembro de 2020.

Central de Movimentos Populares

2020: com Bolsonaro e o coronavírus foi muito difícil

Leia na coluna de Raimundo Bonfim na Revista Fórum: Chegamos ao fim de 2020 com um triste cenário de mais de 180 mil mortos pela Covid-19 e sem um plano nacional de vacinação. Fora Bolsonaro e seu governo. Impeachment já!

Renda básica permanente e o combate à desigualdade

Leia na coluna de Raimundo Bonfim na Revista Fórum: O debate sobre a instituição da Renda Básica Permanente é tão necessário quanto o da reforma tributária, para taxar os lucros e dividendos, as grandes fortunas e grandes heranças, desonerar a produção e diminuir os impostos do consumo para a população de baixa renda.

Resultado das eleições mostra enfraquecimento de Bolsonaro

Leia na coluna de Raimundo Bonfim na Revista Fórum: A disputa em São Paulo é emblemática e retrata com precisão a desidratação do governo Bolsonaro na maior cidade do país. Tanto pelo fato de seu candidato, Celso Russomano, ter ficado com 10,5% dos votos, quanto pela surpreendente ascensão de Boulos (PSOL).

Bolsonaro quer vender a saúde do povo para grandes empresários, por Raimundo Bonfim

Leia na coluna de Raimundo Bonfim na Revista Fórum: O SUS é exemplo e referência para o mundo. Nenhum outro país conta com um sistema tão amplo e eficiente. O que precisamos é investir mais. Essa é também a nossa bandeira. Investir no SUS é investir na vida humana.

NOTA DA CENTRAL DE MOVIMENTOS POPULARES (CMP)

Bolsonaro e Guedes atacam a saúde pública

O Brasil acordou hoje estarrecido com a notícia de que o presidente Bolsonaro, em mais uma atitude que ataca um direito fundamental, assinou o decreto da morte, que prevê a privatização do Sistema Único de Saúde (SUS). Com o apoio de Paulo Guedes, ministro da Economia, que representa os interesses da burguesia, Bolsonaro assinou documento que autoriza a privatização de Unidades Básicas de Saúde, o que significa que as empresas irão lucrar com a atenção primária da saúde, um direito indispensável e necessário para a sobrevivência de todos e todas, não só de quem pode pagar pelo acesso à saúde. É o mesmo que dizer: quem pode pagar para ter acesso à saúde vive, quem não pode pagar morre. Esta é a sentença!

A Central de Movimentos Populares (CMP) tem lutado em defesa do SUS, pelo aprimoramento e consolidação do sistema, na perspectiva da valorização de seus profissionais e do investimento em equipamentos e campanhas educativas de prevenção. “É inaceitável que em plena pandemia da covid-19 Bolsonaro ataque o SUS de forma tão covarde”, afirma Raimundo Bonfim, coordenador nacional da CMP.

A CMP continua mobilizada e se somando aos demais movimentos populares do nosso país, aos profissionais da saúde e todos aqueles que se dedicam à luta por uma saúde pública, de qualidade e gratuita para todas e todos.

O projeto do governo Bolsonaro é o desmonte dos serviços públicos e direitos do povo. Desta vez ataca o SUS e a própria vida. O SUS é exemplo e referência para o mundo. Nenhum outro país conta com um sistema tão amplo e eficiente. O que precisamos é investir mais. Essa é também a nossa bandeira. Investir no SUS é investir na vida humana.

Os movimentos populares, desde sempre, estão apostos para enfrentar este governo e lutar pela saúde do povo. Este decreto não vingará! Fora Bolsonaro genocida! A saúde acima do lucro!

Viva o SUS! Não à privatização da saúde pública!

Central de Movimentos Populares

Desemprego e fome: resultado do desgoverno Bolsonaro

Leia na coluna de Raimundo Bonfim na Revista Fórum:  Em quase dois anos de desgoverno Bolsonaro os índices do Brasil não poderiam ser piores, e devem se agravar

Eleições municipais e a luta dos movimentos populares contra o neoliberalismo

Leia na coluna de Raimundo Bonfim na Revista Fórum: Precisamos eleger prefeitos (as), vereadores (as) que se coloquem contra a política econômica e o governo Bolsonaro, quem defendam a vida, a soberania, os direitos, a democracia e o direito à cidade.

PL 529/2020: Doria ataca serviços públicos

Leia na coluna de Raimundo Bonfim na Revista Fórum: Este PL 529 tem caráter privatista, desmonta serviços públicos, diminui o papel do Estado.

Programa Casa Verde e Amarela nega o direito à moradia

Leia aqui o documento dos movimentos nacionais de moradia sobre a nova farsa de Bolsonaro, que exclui o povo mais pobre.

É Hora de lutar pelo SUS: a opção brasileira deve ser pelo sistema público, gratuito e universal

Neste momento de profunda crise em decorrência da propagação da COVID-19, nossa deve ser retomar os ideais democratizantes da Reforma Sanitária Brasileira. Leia aqui o documento da CMP.

Confira outros artigos e documentos:

Leia mais em notícias:

Coletivo de Mulheres da CMP lança campanha Mulheres na Luta Contra a Fome

Por: Imprensa CMP A Central de Movimentos Populares (CMP) reforça as ações de solidariedade que vem promovendo desde os primeiros meses da chegada da pandemia ao país com lançamento, na noite desta quinta-feira, da campanha Mulheres na Luta Contra a Fome: quem tem fome tem pressa. A campanha é uma iniciativa do Coletivo de MulheresContinuar lendo “Coletivo de Mulheres da CMP lança campanha Mulheres na Luta Contra a Fome”

Coletivo de Mulheres da CMP lança vaquinha Mulheres na Luta Contra a Fome: quem tem fome tem pressa! Contribua!

Para contribuir, acesse o site: https://www.vakinha.com.br/vaquinha/mulheres-na-luta-contra-a-fome O Coletivo de Mulheres da Central de Movimentos Populares promoveu, nesta quinta-feira (15/4), o lançamento da vaquinha virtual e da Campanha Nacional de Ações de Solidariedade: Mulheres na Luta Contra a Fome: quem tem fome tem pressa. A iniciativa tem por objetivo angariar fundos para compra de materiais deContinuar lendo “Coletivo de Mulheres da CMP lança vaquinha Mulheres na Luta Contra a Fome: quem tem fome tem pressa! Contribua!”

Participe da Audiência Pública: REMOÇÕES ADMINISTRATIVAS NO ESTADO DE SÃO PAULO

A Frente Parlamentar em Defesa da Habitação, Reforma Urbana e Regularização Fundiária Urbana da Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp) promove, em 16 de abril, a audiência pública “Remoções Administrativas no Estado de São Paulo”, para falar sobre as ações administrativas de despejo durante a pandemia. A atividade será realizada a partir das 18 horas,Continuar lendo “Participe da Audiência Pública: REMOÇÕES ADMINISTRATIVAS NO ESTADO DE SÃO PAULO”

Em um ano, cesta básica ficou 27% mais cara e valor do auxílio emergencial caiu 58%

FONTE: https://revistaforum.com.br/ – Por Marcelo Hailer Cesta com 39 itens custa R$ 1.013,66 na capital paulista; óleo de soja, arroz e carne de primeira são os produtos com a maior alta de preço O valor da cesta básica paulistana ficou 27% mais cara entre março de 2020 e março de 2021, e o valor doContinuar lendo “Em um ano, cesta básica ficou 27% mais cara e valor do auxílio emergencial caiu 58%”

Carregando…

Ocorreu um erro. Atualize a página e/ou tente novamente.

Receba novos conteúdos na sua caixa de entrada.

<span>%d</span> blogueiros gostam disto: