FLM cria campanha de solidariedade

A Frente de Luta por Moradia (FLM), que atua junto com os sem tetos na cidade de São Paulo, está fazendo uma campanha de solidariedade às famílias trabalhadoras de baixa renda. A ideia é ajudar quem vive nas ocupações e e famílias em situação de maior vulnerabilidade. Para isso, foram criados comitês de solidariedade or região e aos/às trabalhadores/as desempregados/as. Veja nas imagens abaixo como ajudar, por região da cidade.

UMM PROMOVE AÇÃO DE SOLIDARIEDADE NAS PERIFERIAS DE SÃO PAULO

Para doar, entre na vaquinha online da União dos Movimentos de Moradia – Acesse aqui: http://vaka.me/974021

A União dos Movimentos de Moradia de São Paulo (UMM-SP) deu início nesta semana à ação social de distribuição de cestas básicas em regiões em que atua, com enfoque nas ocupações urbanas (de prédio e terra) favelas e mutirões autogestionários. Com uma atuação de mais de 30 anos nas periferias da cidade, a UMM buscou nos últimos dias identificar as regiões e famílias mais vulneráveis, para que as doações cheguem em quem mais precisa. Nossas lideranças, que atuam em todas as regiões de São Paulo, estão em um intenso trabalho de levantamento de informações sobre as necessidades da população mais vulnerável, e a partir disso realiza esta ação de distribuição que visa minorar os efeitos econômico-sociais da propagação do COVID-19, e com isso dar suporte para que o isolamento físico de fato aconteça. Ressaltamos que somente com garantia de condições de vida as pessoas de fato podem permanecer em suas casas, de modo que esta ação faz parte da política de isolamento preconizada pelos sanitaristas.

A iniciativa faz parte de um conjunto de ações dos movimentos populares urbanos para enfrentar os efeitos do COVID-19. Para além da solidariedade, precisamos seguir em luta para que o Estado cumpra seu papel, com a efetivação de políticas públicas que diminuam o impacto econômico-social no cotidiano das famílias, e uma completa mudança da política macroeconômica federal, que passe a ser orientada pelas necessidades das classes populares, e não pelos interesses do mercado financeiro. Para garantir saúde para toda a população, é fundamental, por exemplo, que todas as famílias tenham moradia digna e acesso a um sistema público de saúde universal e gratuito, de modo que junto a medidas como a “renda básica emergencial”, é preciso retomar políticas como o Minha Casa Minha Vida Entidades e derrubar a Emenda Constitucional 95, que transfere recursos da saúde pública para o mercado financeiro. Também é preciso reforçar a luta pela função social da propriedade para que terrenos e prédios vazios possam abrigar quem não tem moradia.

Nosso trabalho de arrecadação e distribuição irá continuar nas próximas semanas e envolve a capital, a região metropolitana de São Paulo, o litoral e o Interior, pelas macrorregionais: Baixada Santista, ABC, Campinas, Americana, Sudoeste, Sertãozinho e Ribeirão Preto. Solicitamos que o apoio de toda sociedade fique ainda mais forte.

Confira aqui a lista de áreas atendidas pela UMM-SP por subprefeitura da cidade de São Paulo e em outras regiões do estado, com contatos das lideranças.

Quem tiver condições de fazer uma doação diretamente à UMM-SP, acesse a vaquinha online da União dos Movimentos de Moradia – Veja aqui: http://vaka.me/974021. Outra opção é transferência bancária. Os dados são: CNPJ 66.852.393/0001-70 | Banco Itaú. Ag. 0184 | CC 50710-1

Para obter mais informações, entre em contato com um dos coordenadores abaixo:

Coordenação Executiva

Evaniza: (11) 97358-1689

Cristiane: (11) 97221-9749

Graça Xavier: (11) 99157-0100

Donizete: (11) 97230-5894

Dito: (11) 97418-7161

Sidnei: (11) 96158-2604

André: (11) 96847-1173

A UMM-SP

A UMM foi fundada em 1987 com o objetivo de articular e mobilizar os movimentos de moradia, lutar pelo direito à moradia, por reforma urbana e autogestão e assim resgatar a esperança do povo rumo a uma sociedade sem exclusão social. É uma articulação de movimentos que atuam na área de favelas, cortiços, sem-teto, mutirões ocupações e loteamentos. Sua atuação iniciou-se pela capital e Região Metropolitana e hoje atinge a outras regiões do estado. Sempre defendendo a proposta autogestionária, o direito à moradia e à cidade e a participação popular nas políticas públicas, a UMM organiza-se em torno desses princípios comuns que se traduzem em reivindicações, lutas concretas e propostas dirigidas ao poder público nas três esferas de governo. Nesse sentido, tem enfrentado as diferentes gestões, ao longo desse tempo, buscando a negociação e a ação propositiva, sem deixar de lado as ferramentas de luta e pressão do movimento popular. Desse trabalho, resulta a conquista de cerca de 30 mil moradias construídas em mutirão ao longo dessa caminhada, diversas favelas urbanizadas, prédios reformados para fins habitacionais, incidência na construção de programas e legislação habitacional, como o Minha Casa Minha Vida Entidades.

AS MULHERES DA AMESOL PRECISAM DE SOLIDARIEDADE!

Somos as mulheres da AMESOL (Associação de Mulheres da Economia Solidária) e vivemos do que produzimos (artesanato, alimentação, cultura…). Além do nosso trabalho diário, também nos esforçamos muito para participar ativamente do movimento feminista. A maioria de nós mora nas periferias de São Paulo e da região metropolitana e garante o sustento da família.

Sabemos que o isolamento social é uma estratégia importante para conter o contágio do novo coronavírus. Nós estamos comprometidas com a nossa saúde, a das nossas famílias e a da população das nossas cidades. Estamos fazendo quarentena. Por nós e por vocês, por todas as profissionais da saúde, da limpeza e da segurança pública.

Em meio a essa pandemia, estamos sem poder executar nosso trabalho e praticar nossos eventos e feiras, onde nosso sustento é gerado. Mas ainda precisamos pagar o aluguel, contas, e garantir a alimentação de filhos e filhas. O momento é muito grave.

Por isso, pedimos a sua solidariedade. Se sobrou um pouquinho do seu dinheiro este mês, contribua com a nossa vaquinha e nos ajude a garantir a moradia e alimentação das mulheres que se encontram em situação de maior vulnerabilidade. Se você não pode contribuir, ajude a gente divulgando essa mensagem nos grupos e redes sociais.

Acesse a vaquinha: benfeitoria.com/amesolprecisadevoce
Assista nosso vídeo:

Ajude Heliópolis a enfrentar o Coronavírus!

Diante do agravamento da situação do Coronavírus e seus impactos na favela, a União de Núcleos e Associações de Moradores de Heliópolis e Região lançou uma campanha para ajudar as famílias mais vulneráveis da favela de Heliópolis. Tentando viabilizar o mínimo, como alimentos e material de higiene.

Doe Agora e Ajude Heliópolis a enfrentar o #Coronavírus

Estamos recebendo as doações em nossa sede central, localizada na Rua Da Mina, nº 38 – Heliópolis, das 10h00 às 16h00.

Saiba Como Ajudar 

➡ A doação de recursos financeiros, será extremamente importantes para pagarmos todos os custos envolvidos na logística de distribuição, como: Máscaras, Luvas e Álcool em Gel.

VAQUINHA ON-LINE: https://benfeitoria.com/HELIPA?ref=benfeitoria-pesquisa-projetos

SUA SOLIDARIEDADE PODE SALVAR UMA VIDA!

Banco: Caixa Econômica Federal (104)
Agência: 3124
Conta: 376-7
CNPJ: 38.883.732/000.1-40
UNAS – União de Núcleos, Associações dos Moradores de Heliópolis e Região.

Ação emergencial em defesa da subsistência de camelôs, ambulantes e feirantes do Brasil diante da crise do COVID-19

Quem puder ajudar nosso fundo de emergência, estamos com uma vaquinha para ajudar nacionalmente ambulantes com artigos de primeira necessidade, que serão distribuídos por meio das nossas organizações. http://vaka.me/949320

A União Nacional de Trabalhadoras/es Camelôs, Ambulantes e Feirantes do Brasil – UNICAB vem a público em meio a crise gerada pelo Coronavirus para informar da grande preocupação que temos com os/as trabalhadores/as da economia informal e a vulnerabilidade a que estão expostos. Nós ambulantes, seguimos expostos/as ao contágio trabalhando nas ruas porque não podemos parar, já que dependemos da venda do dia para comer de noite. Mesmo sabendo que a medida de distanciamento social é a estratégia de contenção ao alastramento do contágio, não temos escolha. Também muito preocupante é o isolamento e a paralisação da economia que significa a impossibilidade de tirar nosso sustento e sobreviver.

Diante dessa situação emergencial chamamos a solidariedade da sociedade e a ação dos governos para impedir que trabalhadores/as da economia informal, sem direitos trabalhistas assegurados, apesar do trabalho duro e de sua contribuição para a movimentação da economia do país, passem por uma situação de escassez extrema e alta vulnerabilidade. São milhões de famílias que ficarão em poucos dias sem nenhuma fonte de sustento. Precisamos agir rápido.

A Unicab propõe que o poder público tome responsabilidade pela situação de emergência que se encontram trabalhadores/as da economia informal e aumente o gasto público para conter a crise implementando imediatamente uma renda básica de emergência aos trabalhadores/as do comércio informal, a isenção de contas de energia elétrica e de água (proibição do corte) e vale gás, que proíba despejos, anistia de aluguéis camelódromos e shoppings populares e distribua cestas básicas.

Além disso, criamos um fundo emergencial para camelôs, ambulantes e feirantes. Pedimos a solidariedade de todos/as para que contribuam clicando aqui: http://vaka.me/949320 . O auxílio será usado para cestas básicas, medicamentos e gastos emergenciais dessas/es trabalhadoras/es no Brasil.

Assim poderemos coletivamente atravessar essa crise.