CMP participa do Dia de Doar

A CMP participa nesta terça (5/5), do Dia de Doar, uma mobilização que acompanha o movimento global #GivingTuesdayNow. A proposta é celebrar as doações já recebidas e mostrar seu poder de transformação. Nosso trabalho é pela campanha Movimentos Populares contra a COVID-19, que já doou 34 mil cestas básicas (689 toneladas de alimentos) nas favelas, ocupações e bairros periféricos, e segue em luta por direitos. Doe você também para nossa vaquinha on-line e participe desse dia! Clique neste link para doar para a CMP e contribuir com nossas ações: http://vaka.me/978192

Mais informações sobre a campanha: https://www.diadedoar.org.br/

“O Dia de Doar 2020 está agendado para 01 de dezembro mas, para atender a emergência em que vivemos, foi criado o Dia de Doar Agora, um novo dia global de doação e união que vai acontecer em 05 de maio, acompanhando o movimento global #GivingTuesdayNow“.

“Juntos podemos nos curar. Ser a parte da solução: mostre o seu apoio e se mobilize para fazer o bem. Nas redes sociais use as hashtags #diadedoar#diadedoaragora#eudoei#orgulhodeserdoado“.

Violações em tempos de Covid-19: Salve Sul desenvolve plataforma para identificação de violação de direitos

O Observatório dos Direitos Humanos – Salve Sul, em parceria com o Núcleo de Apoio à Pesquisa Produção e Linguagem do Ambiente Construído (NAPPLAC) da FAU/USP, desenvolveu um mapa colaborativo online para que pessoas, instituições, coletivos, servidores públicos e movimentos sociais possam comunicar uma violação de direito durante a pandemia.

O mapa é alimentado por meio do formulário do Salve Sul aberto à comunidade e por reportagens divulgadas em portais de notícias. As violações são georreferenciadas, podendo ser acessada por qualquer pessoa interessada. A plataforma também apresenta os índices oficiais de casos confirmados e mortes por Covid-19, divulgados pela Coordenação de Epidemiologia e Informação (CEInfo) da Secretaria Municipal da Saúde de São Paulo e o Índice Paulista de Vulnerabilidade Social da Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Regional do Estado de São Paulo, que utiliza dados do CENSO 2010.

Para comunicar uma violação, acesse: www.cdhep.org.br/salvesul

A plataforma já está disponível em www.cdhep.org.br/mapa-salvesul

Campanha Movimentos Populares Contra Covid-19 intensifica distribuição de cestas básicas na periferia de São Paulo

A Central de Movimentos Populares (CMP) continua nesta quarta-feira (29) a distribuição de cestas básicas na periferia de São Paulo. Por meio da assinatura de um termo de compromisso com a Prefeitura de São Paulo, a CMP entregará amanhã mais 800 cestas básicas, completando o total de 1140 cestas destinadas às famílias em situação de vulnerabilidade que vivem em favelas e ocupações. Ao todo serão entregues 8 mil cestas básicas por várias entidades do movimento popular, pelo programa “Cidade Solidária” da Prefeitura, nesta semana.

Além dessa iniciativa, a CMP, desde o início de abril, organiza pontos de arrecadação e distribuição de alimentos e materiais de limpeza e higiene pessoal. A entidade também abriu uma conta no site http://www.vakinha.com.br (link http://vaka.me/978192), para arrecadar recursos e ajudar as famílias necessitadas. As ações também fazem parte da campanha Movimentos Contra Covid.

A CMP, ao mesmo tempo em que está engajada na campanha de solidariedade, também está cobrando dos governos que tomem medidas para aumentar a renda, manter empregos e promover o acesso das famílias empobrecidas à saúde, pois são as mais afetadas pela pandemia do novo coronavírus.

Abaixo os endereços de distribuição desta quarta-feira, com início sempre a partir das 9h30:

Dia 29 de abril (quarta-feira), Favela Comunidade da Ilha, Rua Manoel Guilherme Reis, 491- Parque Grajaú. Quantidade de cestas: 500. Responsável, Nani, 9 4422-9006

Dia 29 de abril (quarta-feira), Favela Forte Aliança, Av. Nova Paulista, 900, Jardim Flor de Maio – Tremembé. Quantidade de cestas: 300. Responsável: Lucia 9 61365595.

Contato Geral: Raimundo Bonfim, 9 7223-8171.
Central de Movimentos Populares

Benedito Roberto Barbosa (Dito), 9 7418-7161.
Central de Movimentos Populares

Bahia: CMP promove, em Salvador, 1º de Maio de solidariedade e em defesa dos diretos da classe trabalhadora

O 1º de Maio foi lembrado com muita solidariedade hoje em Salvador (BA). Representantes do Setorial Comunitário da CMP da Bahia se juntaram às trabalhadoras e aos trabalhadores em uma ação para arrecadar alimentos e materiais de higiene e limpeza e também para reforçar a luta pelos direitos da classe trabalhadora e defesa da democracia.

Durante toda a manhã desta sexta-feira os alimentos e materiais foram levados para mais um ponto de coleta oorganizado por movimentos sindicais e populares. Os itens arrecadados serão doados amanhã pela Central de Movimentos Populares para famílias em situação de vulnerabilidade moradoras de favelas, ocupações e vilas da periferia de Salvador. Essa mobilização integra a campanha Movimentos Contra Covid, lançada há um mês pela CMP e suas filiadas em todo Brasil.

Nesse Dia dos (as) Trabalhadores (as) a CMP/BA aproveitou a ocasião para, além de praticar e incentivar a solidariedade, exercitar a conscientização para os direitos das pessoas e da responsabilidade dos governos. Para Raimundo Bonfim, coordenador nacional da CMP, “ações como essa contribuem para o fortalecer a solidariedade e, também, cobrar das autoridades suas obrigações, principalmente em um momento como o que estamos vivendo de crises social e econômica, agravadas pela chegada do novo coronavírus”.

Prestação de Contas da Campanha Heliópolis no Combate ao Coronavírus

Clique na imagem acima ou aqui e confira a prestação de contas completa.

A Campanha Heliópolis no Combate ao Coronavírus é uma iniciativa da UNAS e visa garantir acesso a alimentos e itens de higiene e limpeza às famílias da Favela de Heliópolis e comunidades periféricas do entorno. Lançada no dia 22 de Março a campanha completa 40 dias da mobilização de uma grande rede de solidariedade, que vem sendo fundamental para garantir itens básicos a vida de milhares de famílias.

Desenvolvida em duas frentes de trabalho, (i) Garantir Alimentos e Itens de Higiene e Limpeza(ii) Conscientizar e Previnir a campanha Heliópolis no Combate ao Coronavírus tem como metas iniciais.

• Garantir Cestas Básicas a todas às famílias já atendidas pela UNAS nos CEIs e CCAs. (Alimentos, Itens de Higiene e Limpeza e Livro de Colorir)

• Garantir Cestas Básicas às famílias em estado de vulnerabilidade em Heliópolis e bairros periféricos do entorno. (Meta 10.000 cestas)

 Instalar Faixas com dicas de prevenção pelas ruas de Heliópolis

• Ter um carro de som circulando pelas ruas de Heliópolis alertando os moradores sobre os riscos da Covid-19

Chegamos ao final do mês de Abril, com 40 dias de muito trabalho e uma rede de solidariedade que vem sendo fundamental para a promover as ações de ajuda as famílias que mais necessitam neste momento. Em pesquisa realizada pelo Observatório de Olho de Na Quebrada, 80% das famílias que vivem em Heliópolis com até dois salários mínimos apontam ter perdido alguma renda. Das famílias que vivem com menos de um salário mínimo, 93% tiveram impacto negativo em sua renda mensal. O que reforça a importância das ações da campanha.

Para quantificarmos tudo que vem sendo feito e dar transparência a todas as doações, tornamos pública a nossa Prestação de Contas de 22 de Março à 30 de Abril

Mais informações na Página da UNAS – https://www.unas.org.br/single-post/prestacao-de-contas-40dias-campanha-heliopolis-no-combate-ao-coronavirus

Governo ainda estuda como suspender parcelas do Minha Casa, Minha Vida para mais pobres

Fonte: CBNhttp://cbn.globoradio.globo.com/media/audio/299676/governo-ainda-estuda-como-suspender-parcelas-do-mi.htm

Por Leandro Gouveia (leandro.gouveia@cbn.com.br)

No início do mês, a Caixa anunciou a possibilidade de pausar os financiamentos imobiliários, mas não incluiu os brasileiros com renda mensal de até R$ 1.800. Em São Paulo, a CDHU, a Companhia de Desenvolvimento Habitacional e Urbano, já informou que a cobrança continua normalmente.

A autônoma Rivônia Irineu Rosa, de 46 anos, vende roupa de porta em porta em São Paulo. Com a crise do coronavírus, muitas clientes deixaram de comprar ou atrasaram o pagamento.

Agora é ela quem está com dificuldade para pagar as prestações do Minha Casa, Minha Vida. Duas parcelas de R$ 113 já estão atrasadas; a esperança é o auxílio emergencial do governo:

“Muitas clientes minhas perderam o emprego, muitas a empresa suspendeu o contrato. Estou correndo atrás, porque algumas clientes minhas são prestadoras de serviços. Como elas começaram a receber agora o auxílio emergencial, é que elas estão conseguindo me pagar alguma coisa”.

Rivônia faz parte da faixa 1 do Minha Casa, Minha Vida, para brasileiros com renda familiar de até R$ 1.800. No início do mês, a Caixa anunciou a possibilidade de suspender as parcelas de financiamentos, mas não incluiu justamente os mais pobres.

O banco respondeu à CBN que cumpre as determinações do Ministério do Desenvolvimento Regional e da legislação.

Em Brasília, deputados propuseram pelo menos três projetos de lei pela suspensão das prestações, mas não há previsão para votação.

O Ministério do Desenvolvimento Regional informou que estuda alternativas jurídicas e orçamentárias para viabilizar a medida.

Evaniza Rodrigues, militante da União dos Movimentos de Moradia, se preocupa com a demora:

“A gente já está há mais de um mês na quarentena, com essa situação, e as prestações já venceram, do mês de abril, e as do mês de maio começam a vencer na próxima semana. Então é muito preocupante essa demora na tomada dessa decisão”.

Em São Paulo, o secretário da Habitação, Flávio Amary, disse que as cobranças dos financiamentos da CDHU (Companhia de Desenvolvimento Habitacional e Urbano do Estado) continuam normalmente:

“É importante a gente lembrar que o recebimento das prestações da CDHU tem uma finalidade, que é a manutenção das obras da companhia, do estado, e a realização do sonho das famílias”.

Flávio Amary ressaltou que a CDHU continua disposta a negociar com clientes que tiverem dificuldade para pagar as parcelas, como sempre fez, e que até o momento não foi constatado aumento no índice de inadimplência.

Já a Prefeitura de São Paulo informou que a Cohab (Companhia Metropolitana de Habitação) está avaliando e aguardando avaliações técnicas para saber se será possível ou não adiar o pagamento das parcelas. As famílias que tiverem dificuldades podem recorrer ao programa “Cohab Negocia”.

Movimentos populares urbanos se manifestam no dia dos/as trabalhadores/as

No dia dos Trabalhadores (as), Movimentos Populares Urbanos promoveram o panelaço da periferia

Diante da crise sanitária, econômica e social agravada pela pandemia do novo coronavírus, que atinge especialmente as camadas empobrecidas das periferias, onde é mais forte a desigualdade, o desemprego, a informalidade, a fome e a falta ou precárias condições de moradia, nesse Primeiro de Maio, às 20h30, os Movimentos Populares Urbanos fizeram, em todo país, o panelaço da periferia para defender:

  1. Afastamento social, somado a outras medidas como o pagamento urgente do auxílio emergencial de R$ 600,00. Conquista fruto da pressão dos movimentos sociais, a renda é importante para que milhões de pessoas tenham a mínima condição de se alimentar durante o período de quarentena. Garantia de um auxílio para os desempregados (as) e trabalhadores informais de todas as categorias e segmentos inscritos.
  2. Garantia da moradia, suspensão dos alugueis e prestações das mensalidades das habitações de interesse social, bem como garantia da manutenção dos serviços essenciais como água, energia, internet e vale gás, durante o período de quarentena e calamidade pública.
  3. Fortalecimento do SUS (Sistema Único de Saúde) com financiamento adequado. É preciso ações sanitárias, educativas e de saneamento básico, garantindo água como direito e não como mercadoria. Pela revogação da EC- 95/2016 (Teto de Gastos).
  4. Os movimentos estão promovendo ações de solidariedade nas comunidades das periferias com o objetivo de amenizar a fome mas, isso só não revolve o problema. Por isso, o chamamento para bater panelas, que estão vazias, para exigir ações efetivas dos governos, em especial do federal, tais como: garantia de renda, manutenção do emprego e apoio às pequena e média empresas.
  5. Fora Bolsonaro/Mourão, governo dos ricos e inimigo do povo, dos direitos, da democracia, dos sem teto, da saúde pública e que tem jogado milhões de pessoas das periferias no mais completo abandono e submissão a todo tipo de violência.

Convidamos a todos (as) a se somarem a milhares de pessoas em ocupações, favelas, prédios, conjuntos habitacionais, cortiços, vilas e bairros para juntos promovermos o panelaço da periferia, amanhã (Primeiro de Maio), às 20h30.

CMP – Central de Movimentos Populares

CONAM – Confederação Nacional das Associações de Moradores

MLB – Movimento de Luta nos Bairros, Vilas e Favelas

MTST – Movimento dos Trabalhadores Sem Teto

MTD – Movimento dos Trabalhadoras e Trabalhadores por Direitos

MNLM – Movimento Nacional de Luta por Moradia

UNMP – União Nacional por Moradia Popular

Apoio: Frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo

CAMPANHA DE SOLIDARIEDADE DA CMP-RN

Desde que a crise sanitária do novo coronavírus que chegou ao Brasil, a militância da CMP de Natal começou uma mobilização de solidariedade para atender as famílias das ocupações e da periferia da capital do Rio Grande do Norte.

Durante esses quase 40 dias, por meio da campanha de solidariedade, conseguimos arrecadar e distribuir cerca de 2,5 toneladas de alimentos e centenas de kits de higiene, além de álcool em gel.

Esses alimentos e kits foram distribuídos nas ocupações e conjuntos habitacionais organizados pelo Movimento de Luta Por Moradia Popular (MLMP), filiado à Central de Movimentos Populares.

Wellington Bernardo, da direção do MLMP e da CMP afirma que “além da campanha de solidariedade destinada às famílias com baixa renda ou desempregadas, estamos totalmente engajados na luta por direitos e para que o Estado assuma sua responsabilidade”.

O dirigente afirma ainda que “é necessário por fim ao governo Bolsonaro” e defende novas eleições e um novo governo popular. “Essa luta por Fora Bolsonaro/Mourão deve ser travada junto com a campanha de solidariedade”, pontua Wellington.

CMP do Pará promove solidariedade para combater o novo coronavírus

A Central de Movimentos Populares (CMP/PA) está realizando ações de solidariedade às famílias em vulnerabilidade em 10 municípios do estado:
Belém/ Ananindeua/ Marituba/ Santa Isabel/ Santa Bárbara/ Terra Alta/ Curuçá/ São Caetano/ Vigia /Barcarena.

As ações consistem neste momento em arrecadar recursos financeiros para a compra e doações de cestas básicas, álcool em gel, sabonetes, máscaras e luvas de proteção. Elas integram as campanha Movimentos Contra Covid e Vamos Precisar de Todo Mundo, que organizam pontos de arrecadação e distribuição de alimentos e materiais de limpeza e higiene pessoal. A CMP abriu uma conta no site http://www.vakinha.com.br (link http://vaka.me/978192), para arrecadar recursos e ajudar as famílias necessitadas.

Paulo Cohen, da direção nacional da Central de Movimentos Populares, um dos responsáveis pelas ações de solidariedade da CMP/PA, afirma que “essas ações são importantes para levar um pouco de dignidade, solidariedade, respeito e humanidade às famílias que precisam de ajuda nesse momento de crise da pandemia do novo coronavírus”.

Além das ações de solidariedade, a CMP também está denunciando o abandono econômico e social das famílias empobrecidas, que são a maioria do povo. Conhen destaca que “é ponto importante as comunidades não se sentirem só nesse momento de crise sanitária, econômica e social”.

Para se somar ao movimento solidário, para doar ou organizar pontos de arrecadação e distribuição, basta entrar em contato com a secretaria nacional da CMP pelo telefone (11) 5594-3670 ou pelo e-mail cmpnacbr@gmail.com.

Todas as propostas e iniciativas dos movimentos populares para combater a Covid-19, cobrar as responsabilidades do Estado, bem como saber os locais disponíveis de arrecadação e distribuição de produtos estão no site movimentoscontracovid19.com.

CMP-CE: Ação solidária da campanha “Periferia Contra o Corona”

Em 11/04, no bairro Vila Velha, em Fortaleza, CE, aconteceu a ação solidária das campanhas “Periferia Contra o Corona” e da CMP-CE. Na ocasião, foram distribuídos pães de coco e kit de lanches para 30 famílias. Foi uma ação articulada junto com outros movimentos do estado, que participam do movimento ‘ Periferia Contra o Corona. Na ocasião, a CMP ficou uma parte das doações e pôde fazer a distribuição no bairro Vila Velha de Fortaleza, com a liderança da região Dona Alcenir, que participou da entrega. Dona Alcenir é militante da CMP Ceará. Confira as imagens abaixo.