Moradores do Butantã exigem readmissão de médico em UBS na região oeste de SP

Moradores do Butantã, em São Paulo, e profissionais de saúde realizaram nesta segunda-feira (30) um ato pela permanência do médico de família e comunidade Marco Antônio Silva dos Santos na Unidade Básica de Saúde (UBS) Real Parque, na região oeste da capital paulista. Segundo os manifestantes, o médico foi demitido injustamente pela Organização Social (OS) que administra os serviços de saúde do local, a Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina (SPDM).

Marco Antônio Silva dos Santos tem mais de 17 anos de dedicação à saúde da população do Butantã e um trabalho de qualidade reconhecido na região. Ele foi vítima de mais uma arbitrariedade da SPDM, que persegue politicamente quem é mais comprometido com a construção do SUS, com participação popular e qualidade na atenção à saúde.

“O povo atendido pelo Dr. Marcos merece respeito. Cuidado se constrói no dia a dia, no vínculo. Ele tem um atendimento de alta qualidade, atestada por todos nós. O Dr. Marco é um especialista em saúde indígena. Durante a sua trajetória na região do Butantã, atuou no fortalecimento do Conselho Gestor e ajudou na conquista da abrangência da equipe de Estratégia de Saúde da Família no Jardim Panorama, área de grave vulnerabilidade. Sua saída, portanto, tem consequências e rupturas no processo de melhorias que vinha ocorrendo no local”, relatam os moradores em um manifesto.

Segundo os profissionais de saúde, o médico de família e comunidade teve um papel importantíssimo durante a luta contra a covid-19. Além disso, ele foi um profissional bastante sensível as jornadas exaustivas de trabalho durante o auge da pandemia. “Nossa equipe foi convocada para trabalhar em inúmeros sábados sem antecedência adequada, dificultando a organização pessoal, familiar e financeira. Muitas trabalhadoras, inclusive, são mães solo. Tudo isso muitas vezes sem a contratação de mais funcionários ou pagamento de horas extras. O Dr. Marco sempre se colocou contra a esta sobrecarga e defendeu os direitos dos trabalhadores. Não somos números. Não podemos ser descartados de um dia para o outro”, exigem em documento outros médicos de família que atuam na UBS Real Parque.

No final do ato, os manifestantes enfatizaram que quem mais sofrerá com as consequências da demissão do Dr. Marco é a população mais vulnerável do bairro, que exige a sua imediata readmissão.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: